quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

REBÚ (RJ)

Cia Teatro Independente: Sangue novo no teatro brasileiro

Ontem assisti em Porto Alegre ao espetáculo "Rebú" com dramaturgia de Jô Bilac, com direção de Viniciús Arneiro com a Cia Teatro Independente do Rio de Janeiro. O grupo despontou com o espetáculo "Cachorro!", uma brincadeira com os arquétipos de Nelson Rodrigues e agora nos trás o seu segundo trabalho, o ótimo "Rebú". 
A trama do espetáculo se passa no século XIX, quando o jovem casal Matias e Bianca, que mora numa casa isolada em meio a um descampado, se prepara para receber a visita da irmã adoentada do chefe da casa (Vladine), e uma espécie de filho dela. A hiperbólica e exigida cautela com a saúde da hóspede e a presença do seu acompanhante fazem com que Bianca, aos poucos, crie uma rivalidade com ambos, levando o embate às últimas conseqüências. 
O sucesso do espetáculo dá-se por vários fatores e a união destes resulta nesta delicia que é assisti-lo. Destaco a primazia e limpeza da dramaturgia de Jô Bilac, onde uma história folhetinesca e melodramática é apresentada, um texto limpo, sem exagero, sintético e com o que eu considero o mais importante, que é a amarração do drama, dando conta de todos os elementos dramáticos expostos, colocando em cena um personagem simbólico, um bode, personificado pelo ator gaúcho Diego Becker, sendo que este elemento dramático é quem vai desencadear sucessivos embates e levar a um desfecho incrível. Achei uma grande sacada dentro do enredo e muito bem resolvido. Ponto para o Jô Bilac que após o espetáculo revelou algumas de suas influencias que vão desde Nelson Rodrigues até Pedro Almodovar, que resultou numa trama bem feita, sofisticada e repleta de reviravoltas como acontece no melodrama. 
Outro destaque é a direção do espetáculo, pois fiquei imaginando este texto sendo encenado por outro diretor, procurei fazer este exercício e não consegui imaginar, pois o mérito não é somente do dramaturgo, mas sim de toda a equipe, e grande parte deste mérito pode ser conferida ao diretor que soube orquestrar muito bem o seu elenco, que é maravilhoso, sem exceções, os quatro atores de uma capacidade imensa de transformar o que poderia vir a ser um festival de caricaturas, em interpretações verdadeiras e viscerais. O ritmo vertiginoso das cenas, a velocidade do texto falado, as marcações precisas, os cortes na iluminação me remetia a cortes cinematográficos e tudo isso calcado no trabalho do ator, pois em cena há somente o essencial para se contar uma boa história, uma iluminação básica, mas muito bem ajustada, um cenário básico, pouca utilização de trilha sonora e ... TRABALHO DE ATOR e DIREÇÃO! É isso, como se fosse fácil, mas o mérito é esse, um elenco primoroso, preciso e muito bem dirigido conseguem dar conta dos dilemas propostos pelo autor. E a trama proposta avança no fluxo dos diálogos. Outro dado interessante é que não existe em cena a manipulação de objetos, com exceção de um punhal, o resto é ator, trabalho físico, sem bengalas, sem a necessidade de se esconder atrás de objetos ou adereços. Parabéns a Cia Teatro Independente, um jovem grupo que trabalha seriamente e está injetando novo ânimo ao teatro nacional e parabéns ao Sesc por nos proporcionar conhecer trabalhos como este. Uma noite inesquecível. 
Publicado originalmente no Blog Válvula de Escape no dia  13 de maio de 2011.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente!