quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

INVEJA DOS ANJOS (RJ)



No dia 11 deste mês o grupo VÁLVULA DE ESCAPE se deslocou até Porto Alegre para assistir "Inveja dos anjos", que é um espetáculo de alta categoria, com um emocionante texto que conta com episódios sucessivos oferecendo ao público uma viagem pela vida e pelos sentimentos de personagens que são capturados em momentos sucessivos, forma mais freqüente no cinema do que no teatro.
Uma viagem pela vida e seus acontecimentos mais íntimos.Esta é a tônica do espetáculo "Inveja dos anjos". Um emocionante texto daqueles que ficam guardados em nossa memória durante um longo tempo e faz o público transitar pelos sentimentos dos personagens e se envolver gradativamente ao longo dos fatos e acontecimentos que se sucedem.
Maurício Arruda mendonça e Paulo de Moraes elaboraram a dramaturgia juntamente com a cenografia do mesmo Paulo e Carla Berri, onde envolve todo o contexto da história.
O texto fala de um grupo de personagens que vive em uma pequena localidade do interior, e viaja por toda uma gama de relacionamentos e sentimentos, de perdas permanentes ou provisórias, de chegadas e partidas, e das memórias que os une. O lindo cenário, a estrada pela qual passam tanto o trem quanto as vidas dos que moram junto dela, é parte da trama, é personagem, é sujeito da ação, mas sem querer suprimir os atores. Os figurinos de Rita Murtinho são de uma semsibilidade ímpar e compõem o ambiente da trama e a luz de Maneco Quinderé é visceral, funcional e orgânica.
 A direção de Paulo de Moraes prima pelo detalhe, no tom exata  conduz a encenação narrando de forma sensível e audaz a vida das personagens.O elenco de forma harmonica se comunica como que por osmose de quem se conhece e trabalha juntos a um longo tempo (Viva o trabalho de grupo continuado).
Mas é impossível não destacar o trabalho preciso de Patrícia Selonk, que constrói sua personagem com uma sutileza que só os grandes atores conseguem, não conseguia desgrudar os meus olhos dela, vendo a sua respiração e a pulsação que se externava através de um sutil movimento dos pés. Reconhecendo também é claro o excelente trabalho de Simone Mazzer, Thales Coutinho, Marcelo Guerra, Simone Vianna, Ricardo Martins e Verônica Rocha. "Inveja dos anjos" é mais um excelente trabalho da Armazém Companhia de Teatro.
O nome nos faz viajar no que poderia ser a temática do espetáculo, mas nenhum devaneio poderia adiantar o que o Armazém Cia. de Teatro traria à cena com “Inveja dos Anjos”, na direção de Paulo de Moraes.
A escolha do título da obra é um dos acertos na concepção do espetáculo como um todo, além de profundo, é bastante significativo dentro do contexto da ação dramática desenvolvida. A dramaturgia de Maurício Arruda Mendonça e Paulo de Moraes é consistente e bem elaborada tornando-se uma ligação instantânea com o público, este que embarca em uma viagem introspectiva dos seus sentimentos mais pessoais e que a todo o momento são trazidos à tona, seja em uma palavra ou frase inteira. O texto seduz, envolve, emociona e revigora, é um ponto de destaque no trabalho, entretanto, além do texto em si, há também de se considerar o modo como ele é encenado, um exemplo é a identificação imediata das situações vividas pelos personagens, muito enraizadas nas lembranças que cada um de nós tem e que em algum ponto se entrelaçam e despertam sentimentos submersos.
O cenário insere em destaque os trilhos de uma ferrovia que se estende na verticalidade, dando uma maior dimensão ao espaço cênico, a iluminação bem pontuada se harmoniza com as transições do maquinário que entram e saem pelas laterais de forma bem colocada. Isso mostra um grande caráter funcional que existe no espetáculo, onde o que está posto corresponde ao está sendo encenado. A sonoplastia vem de encontro ao reforço das lembranças que permeia os personagens, contempla a beleza e harmonia das cenas nos presenteando com emoções fortes. Tudo isso se deve à fluência que existe no grupo, a generosidade em cena é visível, denota que o maior desejo é somar as potencialidades de cada um para resultar em um excelente trabalho, como foi "Inveja dos Anjos", tornando-o um espetáculo para ser contemplar muitas vezes. E com isso esta companhia já é uma dos grandes destaques do teatro nacional, que a cada trabalho se renova, apostando no real trabalho de grupo. Depois de ter apreciado os outros espetáculos da Armazém como "Pessoas Invisiveis", "Toda Nudez será castigada" e "Inveja dos anjos", posso dizer que sou fã incondicional destas pessoas maravilhosas, sem falar no magnetismo de Patricia Senlock.  
Texto postado originalmente no Blog Válvula de Escape no dia 13 de Maio de 2010.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente!